quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

PREVISÕES


Quando mais novo, eu trabalhei em uma companhia de navegação. Cuidei durante vários anos, da programação dos navios no que se referia as cargas a serem embarcadas para diversos portos do mundo. Lidava com a prontidão de cargas dos clientes, para que na atracação do navio, os oficiais, supervisores e conferentes pudessem analisar o plano de bordo, para a chamada da carga para o costado da embarcação. Quem é desse seguimento entende bem essa rotina.

Éramos uma equipe que checava de hora em hora a situação em que se encontravam as cargas. Se já haviam sido depositadas nos terminais de exportação. Se as capatazias já tinham sido recolhidas a concessionária do porto. Se os produtos já estavam desembaraçados e prontos para embarque, e se os fretes 'prepagos' já pagos na agência. Essa era a rotina básica que antecedia a chegada do navio.

Todos nós que estávamos envolvidos na operação, os que estavam 'fechando' cargas para os portos atendidos dentro do itinerário, os administradores da agência, e uma enorme e intrincada rede de interessados na data de chegada da embarcação no porto, todos, acompanhavam as "previsões" dessa chegada fornecidas pelo armador e divulgada por nós. De tempos em tempos, os armadores emitiam um aviso em que atualizava essa data. Era uma expressão que apelidávamos de 'ETA' que salvo melhor inglês - 'Estimated Time Arrival', queria dizer a PREVISÃO de chegada do navio.

Era em cima dessa estimativa do navio, que se encontrava em trânsito, ou seja, navegando e tocando outros portos, que todos os preparativos eram feitos. Nossa equipe era solicitada o tempo todo a atualizar aos clientes, terminais, despachantes e outros interessados, esse tal de 'ETA' - a PREVISÃO de chegada.

Muitas dessas pessoas, talvez mesmo se esquecendo que se tratava de uma PREVISÃO de chegada, tomavam decisões precipitadas ou atrasadas tendo como referência segura e certa, uma PREVISÃO. Ouvi por diversas vezes, severas reclamações de clientes que se diziam prejudicados pelos constantes atrasos. E quando o navio adiantava então! Uma loucura, viu?

De repente me vieram essas lembranças em um momento em que pelo mundo afora, enquanto bilhões de almas esperam a chegada de um Novo Ano de promessas, milhares de outras pessoas fazem suas PREVISÕES sobre o futuro desse ano que já tem data para chegar.

Com recursos de todos os tipos, se tenta antecipar o que ainda não aconteceu. Muitas pessoas, referenciam suas decisões, seus projetos de vida nessas PREVISÕES. O ser humano tem uma ansiedade enorme na sua alma querendo prever o que há de vir no povir, antes mesmo de ele existir. Tomam decisões precipitadas por acreditarem não somente nas PREVISÕES, mas por deixarem que isso dominem suas mentes e corações.

Colocam muitas vezes, suas vidas, seus sonhos e suas realidades em modos e maneiras estranhas em que terceiros se utilizam para fazerem suas PREVISÕES de fim de ano por exemplo.

Eu me lembro que sobre a minha vida, ou melhor dizendo: sobre a minha morte, algumas PREVISÕES também foram feitas. E foram feitas por pessoas que se achavam capacitadas para fazê-las, os médicos. Mas se mesmo como uma embarcação, que navega pelos sete mares do mundo, que tem os transtornos e contratempos do meio físico, as adversidades atmosféricas, os atrasos tão comuns pelos portos que estavam no seu caminho e até mesmo problemas mecânicos da própria embarcação conspiram conjuntamente para frustar as PREVISÕES dos especialistas, imagina fazer PREVISÕES sobre a vida de uma pessoa.

Quando uma vida se acaba, seu fôlego retorna para Quem o deu, e sua carne retorna ao pó. Claro que aquelas PREVISÕES de morte sobre mim falharam.

O Futuro ainda não aconteceu e todos nós temos uma folha em branco a nossa frente para começar a escrevê-lo a partir de hoje. Sim, a partir de agora mesmo, e nem é necessário esperar a virada do ano para começar a escrever sua nova história, viu? O tempo é contínuo e não tira férias em nenhuma estação.

Aos que acreditam: Não coloquem toda sua fé, esperança e principalmente, sua vida em PREVISÕES de ninguém. Pegue sua folha em branco e escreva a sua história de "próprio punho" com sua letra e com seus sonhos na cabeça.

Se sobre tua vida houver PREVISÕES ruins... Contrarie-as!
Se forem boas... Supere-as!
Aos que não acreditam: Façam a mesma coisa, tá bom?

Se existe um 'ETA' - Tempo Estimado para a Chegada, de qualquer coisa que vai transformar nossas vidas definitivamente no próximo ano, ou nos próximos, vai depender do que você escrever nessa folha em branco da sua existência, e da vontade soberana do DEUS do Universo.

Ele não faz PREVISÕES, Ele faz acontecer!

Cá entre nós: Se eu fosse você, colocaria seu navio, barco, submarino, bote, prancha de surfe ou bóia, ao comando de JESUS, que Ele te levará a um porto seguro ao final da travessia. Isso não é PREVISÃO, mas confiança! Podes crer, viu?

BOA TRAVESSIA, COM JESUS NO SEU BARCO! E FELIZES ANOS NOVOS!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

BOAS FESTAS E FELIZ ANO NOVO


Nos momentos finais de todo ano, a gente faz mesmo aquelas tradicionais avaliações dos dias passados. É claro que fazemos, não é?

Assim é que percebemos que apesar de todas aquelas lutas que tivemos que lutar, nessa guerra que se transformou a vida nos dias de hoje, o saldo ainda foi positivo. Foi bom, não foi?

DEUS nos ensinou com alguns problemas, e outras adversidades, a sermos mais confiantes e dependentes Dele.

Ganhamos algumas vezes, apesar de termos perdido outras, mas faz parte da vida de quem não se oculta; de quem dá a cara para bater dos dois lados.

Foi importante cada momento, porque descobrimos que podemos de fato e de verdade! Conseguimos sem a ajuda de quem se eximiu, e com auxílio de quem se apresentou inesperadamente, de braços estendidos e coração aberto para as nossas vidas.

Com o seu modo de agir, DEUS nos acrescentou o que nos faltava e retirou o que nos atrapalhava.

Ele aplainou os caminhos.

Endireitou algumas veredas.

Livrou os nossos pés de tropeços.

Aliviou nossas almas de muitos fardos.

Encheu nossos corações de novas esperanças, e nos secou algumas lágrimas teimosas.

Sim, foi um bom ano! Posso afirmar que foi para nós.

Espero sinceramente, que tenha sido também para vocês, viu?

A Todos amigos, colegas, companheiros de perto e de longe, intimos ou virtuais, que nos acompanharam por todos esses dias de 2009, que não fugiram da raia e ainda torceram por nós. Para cada um de vocês, desejamos:

Que o Espírito do Natal esteja vivo em cada dia do ano que se aproxima para que possamos juntos viver o amor, que é o significado primordial do verdadeiro Natal de Jesus!

Boas Festas!
Feliz Ano Novo!

Gerson, Vivian, 'Rebeca' e 'Freddy'.

sábado, 19 de dezembro de 2009

UM SONHO DOCE NAS MÃOS


Quando pequeno eu tinha muita imaginação na cabeça e um único sonho nas minhas mãos.
Era um sonho doce.
Pequeno, redondo e recheado de creme de baunilha.
Uma delícia que só vendo.
Naquela idade, eu imaginava que a vida era mesmo assim, como um doce de confeitaria.
Macio como maria-mole e leve como algodão-doce.
Fácil de engolir como pudim-de-leite condensado. Efervescente e borbulhante como refrigerante gelado.
Eu tinha um sonho nas minhas mãos e não me preocupava por ser apenas um.
Tinha em mim, fé de que o sonho de amanhã, estaria lá amanhã, e depois de amanhã.
Isso me era o suficiente para estar feliz.
Não me faltariam sonhos pela vida afora.
Alguém me disse que eu deveria crescer, e eu cresci.
Outro me disse que eu deveria fazer escolhas, e eu escolhi.
Muitos me mostraram caminhos, e alguns me apontaram direções.
Então eu cresci, fiz escolhas, andei por caminhos e quase esqueci a direção do sonho. Já era amanhã e o meu sonho não estava onde pensei que estaria, e me faltou quando eu ainda precisava dele.
A vida ficou complicada, às vezes salgada, azeda e muitas vezes amarga.
Não tinha aquele açúcar fininho e branco de confeitaria. Tinha não, viu?
Era casca-grossa, dura e ruim de engolir.
Percebi assim, que se falava muito em felicidade, mas ela não estava ali, disponível para qualquer pessoa, como no balcão da padaria da esquina lá de casa.
Vi que as pessoas não sabiam mais o que era preciso enfim, para serem felizes.
Observei que elas haviam perdido a imaginação na cabeça e sequer se lembravam da sensação de se ter um sonho nas mãos.
Caminhavam sob o sol sem perceber o seu calor.
Andavam debaixo do céu sem perceber a sua cor azul anil.
Iam e vinham, de frente para o vento sem sentir o frescor da brisa.
Haviam perdido a serenidade e a paz no espírito.
Notei também que quanto mais acumulavam bens e se fartavam de muitas posses, mais preocupações vinham juntas, e essa tal felicidade...onde estava afinal?
Algumas pessoas descobriram, não sem algum sofrimento e decepções, que não se é preciso ter muito e menos ainda ter tudo para se ser feliz.
Com o tempo, foram descobrindo que a felicidade não é uma questão de posse, de ter-se a propriedade dela, de adquiri-la por dinheiro ou mérito. Não vem com o "pacote" da prosperidade e nem da longevidade.
Muitas assim concluiram, que ser feliz é uma atitude simples de satisfação com aquilo que se tem, e o contentamento pela utilidade que se possa fazer disso para si, e para os outros.

Então, descobriram que não é preciso tanto para se ser feliz.
Basta mesmo, como as crianças, muita imaginação na cabeça, simplicidade no coração, e um sonho doce entre os dedos das mãos.
Que encontremos novamente no próximo ano, a direção dos nossos sonhos, e que eles permaneçam sempre doces e macios como sonhos de criança.
FELIZ SONHO NOVO!

sábado, 12 de dezembro de 2009

SONHOS POSSÍVEIS


Estamos chegando ao final de um outro ano, e mesmo sem muito esforço, a gente começa a fazer uma retrospectiva mental desse ano. Bem, normalmente é assim, não é?

Talvez passe assim, de repente na nossa memória, aqueles sonhos que sonhamos para realizar durante os dias desse ano. Percebemos que alguns deles não conseguimos ainda realizar, e talvez quem sabe, nos questionamos sobre os motivos disso ter acontecido, ou melhor, não ter acontecido.

Na verdade, muitos deles até, não foram concretizados por falta de dedicação nossa mesmo, não é?

Quem sabe faltou capricho e força de vontade?

Claro! Conquistar sonhos é muito mais transpiração do que inspiração.

É necessário empenho pessoal.

É preciso muita dedicação.

É imprescindível fazer alguns sacrifícios.

A grande maioria, tal como nós, tem sonhos possíveis, mas não está disposta a se empenhar, dedicar e sacrificar algo de si mesma para realizar alguns deles.

Ficam esperando que caiam do céu no seu colo.

Aguardando algo o sobrenatural acontecer.

Imaginando que os sonhos vão acontecer por mágica.

Mas como já descobrimos, isso é ilusão. As mentes que insistem em crer nos sonhos mágicos, por comodismo ou egoísmo, lamentavelmente estão fadadas ao fracasso. Realizar um sonho, e obter o sucesso naquilo que se sonhou, é uma questão de transpiração mesmo. Exige da gente o diferencial dos vencedores que enquanto a grande maioria espera enquanto dorme, os vitoriosos vão a luta, correm atrás dos seus sonhos.

Aqueles que não se dedicam de verdade, correm o risco de amargar mais um ano de suas vidas, frustrados. Pura preguiça.

Os sonhos possíveis, que são os que os seres humanos podem transformar em fatos, e histórias para contar, somente dependem do empenho que damos realmente a eles, tá bom?

É a mesma coisa com os relacionamentos.

Com o nosso trabalho.

Com as nossas amizades.

É preciso dar o máximo de nós para que eles não se tornem pesadelos ou fracassos.

Entendeu isso?

Agora em quanto assimilamos essa verdade em nossas mentes, podemos enxergar de maneira diferente os sonhos que queremos nos comprometer a realizar no próximo ano. Que tal, hein?

Não vamos fazer então como alguns que arranjam um monte de desculpas e justificativas por não ter obtido sucesso na realização de seus próprios sonhos, tá bom?

Sonhos possíveis, mesmo com dificuldades e limitações, são passíveis de realizar. Já aqueles impossíveis, são para DEUS. E eles são totalmente possíveis para Ele, não é mesmo?

A gente faz os nossos sonhos serem possíveis na nossa impossibilidade, quando quem trabalha por eles, é o DEUS do impossível. Mas isso também não tem a ver com encantamento ou mágicas, mas com temor e fé nesse DEUS de milagres. Um DEUS que trabalha até enquanto dormimos. Esse DEUS que nos diz para confiar nele: "Esforça-te, e tem bom ánimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares."

Que a gente possa mesmo se esforçar para que ao final do próximo ano, termos muitas histórias de conquistas e vitórias para contar. Combinado então, hein?

Que DEUS te dê muitos sonhos para sonhar e muita saúde, força, dedicação, empenho para ir ao encontro de cada um deles em 2010, tá bom?

Um Feliz Ano Novo para você, para a tua casa, e para todos os teus amigos também, viu?

"O futuro pertence aos que acreditam na beleza de seus sonhos."

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

UM NATAL ACESSÍVEL PARA TODOS


É sempre muito difícil se dizer algo sobre o Natal, que já não se tenha dito exaustivamente antes. Na maioria das coisas mais comuns que se diz e se escreve a respeito desses dias, dessa atmosfera natalina, acaba sendo lugar comum mesmo. E não é porque não se tenha muito o que se dizer ou o que se escrever, ao contrário, existe muitas abordagens a serem consideradas sobre o evento do Natal nos dias de hoje.

Então qual é afinal de contas, essa dificuldade, hein?

É que traduzir em palavras tantos sentimentos e emoções que envolvem essa época, e resgatar memórias afetivas, não é mesmo uma tarefa fácil para qualquer pessoa. Ao menos para mim, não é não, viu?

Parece que o Natal tem muito mais a ver com a nossa infância do que com a nossa vida adulta. Pode ser que as nossas mentes infantis sejam mais suscetíveis aos ares de alegria incontida, que precedem o Natal.

Provavelmente está realacionado ao costume histórico de se receber presentes com o qual sonhamos o ano inteirinho, não é mesmo?

Também pode estar relacionado aquela movimentação dos adultos na preparação das comidas especiais da época. A gente fica na ansiedade de beliscar umas guloseimas e cutucar umas comidinhas gostosas, não é assim?

Em muitos dos lares cristãos ainda hoje se tem o costume de colocar músicas natalinas, que ficam tocando o dia inteiro, impregnando os ambientes com melodias que estão igualmente impregnadas no nosso subconsciente. Passamos a cantarolar, sem percebermos, canções que sequer conhecemos na íntegra a letra e a mensagem, mas assim mesmo, cantarolamos algo que se assemelha.

É claro que o ambiente não ficaria apropriado para a época, caso a nossa casa não recebesse uma decoração com motivos e símbolos natalinos. Parece que nesse quesito existe até uma certa competição entre os vizinhos para iluminarem suas casas, não parece?

Presépios de todos os tipos e tamanhos.

Árvores de Natal com bolas e luzinhas coloridas, que piscam e tocam até.

Bonecos de papai Noel que se movem, sobem nas paredes e fazem aquele 'HÔ... HÔ... HÔÔÔ...'

Tudo isso para se comemorar uma data em que se celebra... O que mesmo? O que se comemora no Natal, hein? Sim, isso nós aprendemos também, não foi?

Em um determinado momento da nossa infância descobrimos, meio frustrados, que o "simpático velhinho" que voa de trenó puxado por renas, que voa pelos céus do mundo na véspera do Natal, entrando pela chaminé das casas para distribuir presentes, não existe de verdade.

Descobrimos até com grande surpresa, que os presentes que aparecem sob a árvore de Natal, são comprados e trazidos pelo nosso próprio papai Manoel, Joel, Rafael, ou quem sabe João, ou José.

Parece então, que nesse exato momento, começamos a crescer de verdade e nosso pequeno mundo de fantasias, se esvai com os primeiros raios de sol daquele último Natal encantado da nossa meninice.

Aos poucos, enquanto crescemos, vamos percebendo a cada novo Natal, as enormes diferenças que se evidenciam pelo mundo afora, além das paredes seguras da nossa sala de estar.

Vamos tendo a noção das grandes desigualdades sociais que existem.

Tomando conhecimento de carências extremas e realidades tão duras em que uma significativa parte das crianças do planeta vive.

Então começamos a entender que a "magia" desse Natal é absolutamente fantasia mesmo. Porque os presentes não chegam nas casas de todas as crianças do mundo. Que muitas crianças nem tem uma casa para morar, quanto mais uma chaminé para um senhor obeso, vestido de veludo vermelho e com um baita saco de presentes nas costas, entrar por ela, né não?
Os nossos olhos aos poucos vão se abrindo para a realidade fora de nós e compreendendo a extensão dos problemas da vida real.

Há apenas uma verdadeira razão para que permaneça na nossa alma, um sentimento de alegria vivificante, que se amplia nesses dias natalinos.
Sim, existe sim.
E esse sentimento vem exatamente do motivo principal pelo qual se comemora o Natal no meio da cultura cristã e de muitas outras. O nascimento de Jesus.

O presente definitivo para a humanidade. O presente que é para todos sem distinção de raça, de povo ou nação. Um presente que cabe em qualquer alma, em toda casa de teto ou sem ele. Um presente com o qual as pessoas que o recebem, são definitivamente transformadas no íntimo de tal maneira que ficam permanentemente iluminadas para a vida toda e para além dela.

Jesus é o presente de Deus para a humanidade.

É o presente acessível; Inclusivo e totalmente gracioso, que qualquer papai Manoel, Joel, Rafael ou mesmo João e José pode oferecer aos seus filhos, neste ou em qualquer outro Natal.
"Esse presente" vem acompanhado de Alegria na alma, Paz no espírito, e Esperança no coração para todo aquele que nele crê e o recebe em sua "casa" a partir de hoje mesmo.
Essa é a tão esperada Boa Nova espalhada pelo Anjo do Senhor no dia do nascimento do Salvador Jesus. E é esse o eco da boa notícia que ecoa pelos séculos afora, cantados em coro pelos céus: "Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens."

Desse "presente" já se havia anunciado na antiguidade dizendo:

"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz."

FELIZ NATAL de Paz e Esperança para você, para a sua casa e para todos os seus amigos, tá bom?

sábado, 5 de dezembro de 2009

QUERO SER FELIZ !!!


As pessoas são muito parecidas no que se refere ao projeto de vida. Se a gente saísse por aí a perguntar aos transeuntes nas ruas, calçadas ou em qualquer outro lugar, não seriam muitas as respostas diferentes de:

- "Quero ser feliz!"

Talvez eu e você tenhamos muitas diferenças de temperamento, cultura, nível social, orientação religiosa, enfim, qualquer diferença, mas seríamos semelhantes a grande maioria, não é mesmo?

A forma de buscar essa felicidade é que diferencia e distancia as pessoas, apesar do objetivo ser o mesmo. A grande maioria quer encontra-la através do sucesso pessoal.

Na verdade, existe uma pressão absurda sobre as pessoas, para que obtenham êxito em tudo, sucesso, como uma fórmula certa de se chegar a felicidade. Nessa área, tem uma bestial quantidade de literatura de autoajuda, disponível até mesmo em lojas de conveniência em postos de combustível. Você pode aprender como se obter sucesso profissional; se dar bem na vida; fortalecer seu marketing pessoal; e até mesmo, desenvolver seu magnetismo para atrair a atenção de todos, enquanto abastece seu carro e calibra os pneus dele.

Tem gente ganhando rios de dinheiro escrevendo literatura para convencer as pessoas de que a felicidade e o sucesso são sinônimos.

A sociedade consumista então... "Nada de braçadas" colocando campanhas incríveis em peças publicitárias fantásticas, associando a felicidade a obtenção de produtos e mais produtos.

A indústria cosmética por sua vez canaliza a ânsia das pessoas pela aparência perfeita, como a chave que abre as portas da felicidade.

As clinicas de cirurgia plástica proliferam em ofertas ás prestações, de rejuvenescimento, 'lipoescultura' e enchimentos de pedações de silicone espalhados em cada parte do corpo, que nem te conto, viu? Tudo para que assim as pessoas possam se sentir felizes com a aparência que os ditadores da moda e os cultuadores do corpo ditam para nós.

Nas escolas, desde muito cedo, somos ensinados que o sucesso e a felicidade tem relação diretamente proporcional ao conhecimento que adquirimos. Assim, as escolas, faculdades e uma infinidade de cursos de treinamento, direcionam as pessoas para a escolha desse modelo de alcançar a felicidade intelectual - se é que existe isso, né? Temos uma enormidade de cursos virtuais oferecidos na NET, com os quais, as pessoas poderão ter facilitados o caminho para o sucesso na vida, e consequentemente, serem felizes.

No mundo corporativo, as empresas por sua vez, estimulam seus funcionários a estabelecerem metas pessoais, tal como elas fazem com eles, afim de que igualmente obtenham êxito no cumprimento delas. Porque para elas, êxito e felicidade são sinônimos.

- "Quero ser feliz!"

Existe um grupo de pessoas, onde eu me incluo, que entendem que a felicidade não é uma meta que está lá, em algum lugar a ser alcançado, mas apenas e tão somente, um estado de espírito.

Assim, podemos ser felizes indo ao Mac Donald's devorar um BigMac com uma porção de fritas, uma tortinha de banana e um sundae de morango, hummmm...

Podemos ser felizes ficando em casa, num dia chuvoso e frio, sob as cobertas abraçado com seu amor - sugestivo, hein? Como assim? É claro que cada um com a sua, né? Espertinho.

Podemos ser felizes indo ao estádio de futebol com os melhores amigos e assistir o Palmeiras 'dando um chocolate' no time adversário, ou assistir com seu cachorrinho de estimação o mesmo jogo pela TV, torcendo sozinho a cada gol na caçapa do time rival. Eita!

Podemos ser felizes também levando os filhos ao cinema na 'matinê' das quartas, quando o ingresso ´é econômico, né não?

Também podemos ser felizes levando a namorada para a praia, pegar um bronzeado na "carcaça branquela" mesmo quando o sol está se escondendo de você, viu?

Olha só, a gente não tem que por obrigação, ser feliz o tempo todo, até porque, existe a realidade que estamos inseridos e que nos oferece as dificuldades, os obstáculos, eventuais perdas e alguns fracassos até.

É assim mesmo a vida, uns dias estamos tristes outros alegres, tem dias que acertamos e outros dias erramos, e não há mal algum nisso, tá bom?

A gente tem é o dever de manter o estado de espírito predisposto a alegria, que a felicidade chega. Ah se chega.

Você também quer ser feliz? Experimenta manter o teu Espirito entusiasmado com a promessa abaixo, tá?

"Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos. Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem. A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa. Eis que assim será abençoado o homem que teme ao SENHOR." (Sl. 128)

Experimenta, vai!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

SEM COMPARAÇÕES



Na verdade conhecemos pouca gente que está completamente satisfeita com o que tem. Nesse instante não me lembro de ninguém, mas acredito que deva existir em algum lugar. Você conhece alguém?

Nós temos uma dificuldade enorme em permanecermos satisfeitos com as coisas que temos, com as que conquistamos e até mesmo, com o que somos.

Assim é que se somos magros, ao compararmos nossa aparência com os "sarados" já achamos que temos que "bombar" nossos músculos um pouquinho mais.

Já se estamos gordos, ao compararmos nossa aparência com as magrelinhas das passarelas, entramos em pânico diante de uma balança, não é assim, hein? É ou não é?

E quando lutamos durante anos para conseguirmos um cargo melhor na empresa e enfim o conquistamos, ao invés de satisfeitos, esticamos os olhos para o cargo mais a frente.

Vivemos comparando tudo que somos ou temos, e achando que a "galinha do vizinho bota ovos melhores e mais amarelinhos que os da nossa, e que o porco é maior e mais gorducho que o nosso".

Observamos o carro novo, zerinho em folha, que a vizinha loiríssima do 32 comprou e logo imaginamos que ela ganha bem, que tem um ótimo emprego, que tem um marido bonzinho ou mesmo construímos ideias mirabolantes para aquela aparência prospera da moça, não é assim?

Vemos igualmente aquele senhor grisalho vestindo ternos caros todos os dias e imaginamos que seja um executivo de alguma multinacional, que está bem de vida ou coisa que o valha.

Não são poucos aqueles que aspiram algo semelhante, ao comparar suas vidas com aquilo que as aparências mostram na vida das outras pessoas. Não deveríamos fazer certas comparações, mesmo porque, não conhecemos a realidade dessas pessoas e desconhecemos suas lutas diárias. Talvez, se soubéssemos o que elas enfrentam. Se imaginássemos seus tormentos. Se descobríssemos seus segredos, talvez também descobríssemos enfim, o quanto somos abençoados. O quanto temos sido poupados e protegidos. Talvez se conhecêssemos suas tragédias pessoais pudéssemos ser mais agradecidos pelo que temos e satisfeitos pelo que somos.

Desse modo acabamos por nos tornarmos pessoas infelizes por causa dessa infeliz mania de compararmos e depois, achamos que somos infelizes por que não temos ou não somos como as outras pessoas.

Na verdade, as únicas pessoas responsáveis por não serem felizes, somos nós mesmos, ninguém mais, viu?

Não adianta ainda, querermos satisfazer as outras pessoas, tentando ser aquilo que achamos que elas imaginam que somos. Pura bobagem!

Não adianta nada porque elas não te conhecem como você realmente é, e portanto, não vão te reconhecer naquilo que você quer aparentar ser. Aliás, diga-se de passagem, importa muito pouco, quase nada, o que as pessoas pensam de você. Elas não podem viver a sua vida, tanto quanto você não pode viver a delas. Portanto, o que elas pensam de você, também não é da sua conta. Não nos esqueçamos disso, viu?

Você não é melhor nem pior que as outras pessoas em quem você quer se comparar, e tão pouco, é uma referência totalmente segura para que as outras pessoas queiram imitar. Verdade seja dita, a gente é o que é.

Deus não nos escolhe e nos dispensa maiores favores por aquilo que somos. Ele apenas nos escolhe, abençoa, protege, alimenta, veste, cobre e ama, porque Ele é como é, e pronto. Deus não faz comparações, até porque, com quem Deus iria se comparar afinal, hein?

Mas a bem da verdade, é necessário esclarecer que estar satisfeito consigo mesmo não é a mesma coisa que se acomodar com o que você está agora, neste momento, certo?

Ser humilde e contentar-se com o pouco que temos não significa perder a capacidade de sonhar coisas melhores. Isso está claro, não é mesmo?

Sermos agradecidos por tudo que recebemos, por tudo que somos não o sentimento mais importante que podemos ter para quem disponibiliza o melhor, mas ter um coração grato mesmo não tendo recebido ainda o que se deseja. Sim, ter um coração agradecido e predisposto a gratidão, isso é incomparável.

Existem, é claro, exemplos de pessoas que exteriorizam determinadas virtudes que são invejáveis, no bom sentido da palavra, não é?

Existem ainda aqueles que notadamente, conquistaram uma posição diferenciada por alguma ação, atitude incomum, inusitada, notável que as destacaram, e dessa forma, se tornaram uma referência naquilo que as notabilizaram.

Existem assim, algumas personalidades que merecem ser admiradas pelo que enfrentaram e venceram; pelo sacrifício pessoal que fizeram para conquistarem a vitória; pelo altruísmo e filantropia. Sim, existem. Mas existe apenas uma pessoa que merece ser imitada, copiada no ter e no ser, que é Jesus.

No ter, porque não tendo nada propriamente seu, foi sempre tudo para com todos. E no ser, porque não teve por usurpação ser igual a Deus, mas fez-se servo e obediente até a morte, e como sabemos, morte de cruz.

Jesus é o padrão, o modelo, a referência segura que podemos e devemos copiar e imitar, simplesmente porque Ele não tem comparação!

"Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco."

domingo, 29 de novembro de 2009

FALANDO COM AS PAREDES


Dizem que com Deus a gente pode ganhar o mundo em silêncio e sem Ele, podemos perder as pessoas que mais amamos apenas com uma palavra errada.


A palavra tem esse poder de transformar situações desfavoráveis em oportunidades, mas a gente precisa dominar as palavras que saem da nossa boca, pois elas são reflexos do que está cheio nosso coração.

Ainda que tivéssemos o domínio pleno delas, ainda assim, não teríamos qualquer domínio sobre o ouvido das pessoas a quem direcionamos nossas palavras. Não podemos garantir que todas elas, as palavras que dissemos, serão corretamente entendidas e digeridas por todos que nos ouvem. Digo isso por uma certa experiência de vida, viu?

Acontece com muita frequência no meio do nosso grupo, grupos de maior convivência. Aquelas pessoas que já estão habituadas conosco, pensam que nos entendem somente com um olhar, imagina então nas intenções das palavras, né? Elas tomam por certo que agimos, pensamos, falamos e nos guiamos por um padrão que está no interior delas, coisa delas, e que por ser algo que elas agiriam, pensariam, falariam e se guiariam pelo que são, creem que somos assim também. Entendeu?

Não fique complexada com isso, eu explico, ou desenho se preferir, viu?

FALANDO COM AS PAREDES.

Nossos pais, por exemplo: Acham que como replicadores de seus genes, igualmente iremos reproduzir seus pensamentos e modos de agirem. Assim, logo, o que eles nos rotulam, é como eles pensam, agem, falam.

Dificilmente conseguimos fazer os nossos progenitores, aceitarem uma opinião diferente, um conselho ou até mesmo um simples palpite, que saia da nossa boca.

- "Eu te conheço, viu!" E assim acabam muitas conversas que iniciamos com nossos pais, irmãos e parentes próximos. Essa incômoda sensação de falar com as paredes não acontece somente com você não, tá?

Para a familia, a gente será sempre visto e ouvido, com aquele diminutivo ao final do nome.
Não crescemos o suficiente.
Não adquirimos experiências e amadurecemos.
Não somos capazes de nos virarmos sozinhos.

Assim parece que seremos sempre uma criança teimosa, um 'aborrescente' imaturo e um jovem inexperiente.
Talvez como um grito de libertação, muitos de nós rompemos de maneira rude com esses laços invisíveis e o fazemos usando gestos e palavras que transformam as situações, mas transtornam os relacionamentos afetivos.

Apesar de querermos ser absolutamente sinceros, muitas vezes nos falta a prudência tão necessária para não dizermos tudo o que pensamos, mesmo penssando tudo o que dissemos. Assim, mais uma vez, nossos 'chegados' se magoam e se ressentem depois, por longos períodos da vida, com algo que dissemos naquele momento de rompimento com os paradigmas familiares.

Meu pai tinha uma ilustração que usava uma folha de papel em branco, íntegra e limpa, que durante esse momento de mudança brusca com os costumes e os pensamentos preconcebidos do nosso grupo, são como rasgar a folha de papel em pedaços pequenos e lançar ao vento. Elas se espalham e se deixarmos, jamais poderão ser resgatadas. Mas se agirmos com tolerância e amor, apesar das marcas que certamente irão ficar, poderemos reconstruir a folha inteira, e tratarmos com afeto, as marcas e cicatrizes no "papel rasgado" dos sentimentos feridos.

Mas ele mesmo, igualmente ao que descrevo aqui, me dizia sempre que eu queria me manifestar em assuntos adultos, dizendo:
"- "Quando você vem com a espiga eu já estou com a pamonha pronta, viu? E assim muitas das nossas conversas ficavam bem curtinhas. Coisa de pai, né não?

Atitudes assim, costumam deixar marcas emocionais em muitos filhos e filhas, e provocar mágoas difíceis de serem resolvidas. Pela vida afora, um ou o outro, se ressentirá das palavras e ações que foram ditas e tomadas em algum momento como esses. E é preciso ter muito cuidado com elas antes de serem ditas, porque depois que saem da boca por estarem espremidas dentro do nosso coração, não há como segurá-las e nem mesmo prever os estragos que farão na alma das pessoas que nos amam, que amamos.

Aproveitando, eu vou te dar um conselho aqui, posso? É de grátis, tá!

Olha só: Melhor é refrear a lingua e não acender a ira, do que depois de a palavra lançada, tentar apagar o fogo do ressentimento.

Caramba!
Gostei disso. Acho que vou aplicar prá mim.
Sei lá... Será por isso que pareço ás vezes falar com as paredes, hein?

"Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, o tal é perfeito, e poderoso para também refrear todo o corpo." (Tiago 3:2)

terça-feira, 24 de novembro de 2009

O QUARTO ANO


Nesse mês que já está quase no fim, eu completei quatro anos de sobrevida após um transplante duplo - rim e pâncreas.


Eu passei a comemorar com 'eles' essa data (16 de novembro 2005.), porque antes deles estarem em mim, pertenciam a outra pessoa. Assim, tomei-os como parte de mim, a partir daquele implante em meu corpo. Então, 'eles' só têm quatro aninhos de vida em minha vida. Entendeu, né?

Eu jamais saberei se esses órgãos foram de alguém que tinha o temor de Deus no seu coração, e se ao desaparecer daqui, foi para o lado do Pai. Espero mesmo que sim. Mas de uma coisa eu tenho certeza, 'eles' foram transplantados em um corpo que teme a Deus com todos os outros órgãos, e com toda força da alma. Logo, 'eles' agora também bendizem o Senhor Deus em mim.

"Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e TUDO o que há em mim bendiga o seu santo nome." E assim celebro com imensa gratidão por todo o bem que o Senhor fez, antes e depois, na minha vida. "Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios." E meu espírito tem assim se alegrado por mais esses quatro anos que Deus me concedeu viver, e peregrinar por essa terra, enquanto aguardo a restauração completa de ambos, corpo e alma na pátria da promessa. "Ele é o que perdoa todas as tuas iniqüidades, que sara todas as tuas enfermidades, Que redime a tua vida da perdição; que te coroa de benignidade e de misericórdia, Que farta a tua boca de bens, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia." Sim, como a águia se renova ao meio de sua vida útil, trocando as partes envelhecidas do seu próprio corpo, para então novamente alçar outros voos.

Apesar de não ter comemorado com bolinho de chocolate, guaraná, brigadeiro e salgadinhos, na minha alma houve uma festa e com grande júbilo renovei minha gratidão ao Deus da minha salvação.

Ah! Eu ainda não perdi a esperança de que faça parte do "pacote de Deus" a invenção do transplante de olhos, e que eu viva aqui ainda, tempo para ver alguns rostos tão queridos. Seria uma maravilha isso, não seria hein?

Para todos que amam a minha vida, e tem orado por ela desde os tempos do vale da sombra da morte, minha gratidão também, do fundo do meu coração, do rim e pâncreas inclusive, viu? Obrigadão!

Que Deus preserve intactos, seus corpos, suas mentes, enfim, as suas vidas pelo menos até o meu O QUINTO ANO, tá bom?
Em nome de Jesus.
Que assim seja!

sábado, 21 de novembro de 2009

ENTARDECER



Há uma época que todos os sobreviventes fatalmente verão acontecendo em si mesmos. Não há pressa de se chegar até lá, todavia, cada dia que se passa sob o sol, todos se aproximam desse momento que querem a todo custo evitar. A velhice.

Não existem fórmulas permanentes que possam retardar o inevitável, simplesmente porque é inevitável mesmo.

Toda tentativa é apenas cosmética e todo esforço é tão somente um disfarce; Porque os dias da nossa vida são como um conto que se conta em uma história sem enredo.

Tão logo nascemos, começamos a envelhecer um pouco a cada dia. Ainda sentindo o cheiro da manhã e já estamos percebendo a chegada do *entardecer. É muito rápido, e quando vemos é noitinha já.

"Os dias da nossa vida chegam a setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o orgulho deles é canseira e enfado, pois cedo se corta e vamos voando."

Se pararmos para observar essa transição, corremos o risco de perdermos o melhor de tudo que é viver os dias com toda vida que for possível viver, deixando que o tempo cumpra seu curso natural enquanto nos divertimos com ele. Enquanto amadurecemos.

Se temos ou não os dias contados, um tempo para nascer e uma data para desaparecer, e se isso significa que não podemos acrescentar mais dias as nossas vidas, então, acrescentemos mais vida aos nossos dias, sejam eles quantos forem.

"Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios."

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

VOCÊ TAMBÉM TEM IMPORTÂNCIA NO ESQUEMA ETERNO DE DEUS, viu?


Um homem sujo e maltrapilho fazia de um recorte em uma parede alta de concreto armado o seu lar. Ali, naquela reentrância do paredão frio ele havia forrado as paredes de papelão catado no lixo da cidade. No chão duro ele colocara um curto cobertor igualmente catado entre as coisas desprezadas pelo povo da cidade. Ele cuidava daquele espaço com todo zelo que era possível para alguém na sua situação. Havia trincas e rachaduras no paredão por onde ocorria muita infiltração de água e que ele fora fechando com pequenas pedras e restos de material de construção que conseguia nas obras perto dali.

Uma certa noite, houve um temporal na região toda. Choveu em poucas horas uma quantidade estimada para muitos dias e aquilo causou muitos estragos pela cidade.

A Defesa Civil visitava as casas, vistoriava os morros e inspecionava tudo em busca de sinais de perigo e riscos para os cidadãos locais. Ao lado da cidade, havia uma grande represa que armazenava água de um lago que alimentava uma usina hidroelétrica que abastecia a região de energia.

Logo pela manhã seguinte do dia daquele temporal, uma equipe de engenheiros da usina saiu para vistoriar a represa. Ao chegarem na base do paredão da represa, encontraram aquele homem maltrapilho todo encolhido de frio, molhado e assustado, enfiado naquele recorte do paredão da barragem.

O engenheiro chefe mandou que sua equipe o retirasse dali e ao fazerem isso, e retirarem os papelões que forravam as paredes, ficaram assombrados como o que puderam constatar. As trincas e as rachaduras que minavam água de dentro da represa, haviam sido estancadas por pequenas pedras e restos de material de construção, socados ali pelo mendigo.

Imediatamente a equipe providenciou o reparo necessário e apropriado para conter a pressão que a água do lago exercia sobe aquelas fissuras, prestes que estava de se romper e inundar a cidade.

Aquela situação crucial foi levada ao conhecimento das autoridades locais que agradecidas, prepararam uma homenagem àquela valorosa equipe de engenheiros que salvara a cidade. Durante o ato, o prefeito foi entregar a chave simbólica da cidade ao engenheiro chefe da equipe e este pediu, por sua vez para que fosse homenageado um certo cidadão das ruas, que ao fazer zelosamente a manutenção da sua "casa" evitara que a barragem se rompesse anteriormente. Assim o mendigo recebeu um reconhecimento inesperado da cidade que até então não o acolhera com humanidade.

Aquele homem já maduro, vivera sua vida inteira praticamente com os restos desprezados daquela comunidade e vivera até ali apenas para salvar um povo que jamais o enxergara antes.

Isso é na verdade uma ilustração em que eu gostaria que a gente se debruçasse e retirasse dela uma reflexão espiritual de significado extremamente proveitoso.

Por vezes muitos de nós, não entendemos os sacrifícios, as humilhações, os fracassos, as dificuldades, as coisas que julgamos por injustiça; questionamos os motivos pelos quais nascemos, viemos ao mundo para sermos inúteis e desprezados. Perguntamos as razões de Deus para nossa falta de sucesso e prosperidade. Trabalhamos dia após dia com o suor da honestidade e observamos o ímpio, o corrupto prosperar a olhos vistos.

Questionamos novamente a generosidade de Deus e seu modo de agir para com os humildes e fragilizados, com aqueles que não tem sobre si, qualquer tipo de proteção social.

Na verdade, de uma maneira ou de outra, em diversos níveis, todos nós acabamos procedendo dessa forma, pressionando o Senhor para que se explique, não é assim que muitas vezes agimos com Deus, hein?

Muitas vezes levantamos nossa insatisfação com as nossas aparências e comparamo-nos com outros, quais achamos serem melhores, maiores, mais bonitos, mais fortes, mais interessantes, de maior sucesso, mais ricos, mais admirados, mais privilegiados pelo Criador. Assim alguns não encontram significado em suas existências e se acham menores e sem qualquer valor. "Não temas, quando alguém se enriquece, quando a glória da sua casa se engrandece. Porque, quando morrer, nada levará consigo, nem a sua glória o acompanhará."

São mistérios dos céus, soberania do Altíssimo e estratégias divinas que não compreenderemos. Como entender e aceitar que Deus é como um oleiro, um artífice que produz vasos de todos os tipos conforme sua onisciência. Como aceitar que Ele faz, desfaz ou destrói e simplesmente refaz algo que Ele mesmo criou do nada?

Crendo ou não;
Entendendo ou não;
Nada vai alterar o que foi posto no coração de Deus na eternidade, a não ser...
A não ser quando aceitamos essa soberania e nos rendemos a Sua vontade, e aceitando assim Seu julgo suave e Seu fardo leve disponibilizados em Jesus.

Existirão batalhas a serem lutadas e sacrifícios naturais para todos que abraçam, escolhem o bem. Mas haverá recompensas. Sim, seja elas vistas ao olho humano ou invisíveis a ele, elas terão impacto transformador na vida daquele que a receber. Seja a nossa vida um sucesso frequente ou seja ela um fracasso aparente, se estivermos dentro, no centro da vontade do Pai, no momento certo, todos nós seremos exaltados para a honra do Senhor.

"Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para que nenhuma carne se glorie perante ele."

Assim, amados que entendem o mistério nessas palavras, se consolem na esperança de que há um propósito de paz sobre as nossas vidas que em tempo oportuno será revelado dentro da estratégia do Senhor.

Que isso lhe seja de conforto como o é para mim, pois eu sei em quem tenho crido e sei também que Ele tem todo o poder para guardar minha existência até o momento de ser revelado em mim o seu propósito.

Enquanto nós esperamos isso, somos aperfeiçoados através das adversidades e das limitações. Talvez maltrapilhos maltratados por uma sociedade perdida e de valores invertidos. Quem sabe forjados por muitas aflições, dores e enfermidades no corpo. Não importa, todos os propósitos de Deus serão cumpridos em nós e nas gerações após as nossas.

Mas saiba e creia: VOCÊ TAMBÉM TEM IMPORTÂNCIA NO ESQUEMA ETERNO DE DEUS, viu?

sábado, 14 de novembro de 2009

O CAMINHO VAI AOS CONFINS DA TERRA


As fronteiras do mal que impera sobre a terra, a cada geração que passa, se alarga, amplia seus espaços, apressando-se como se próximo estivesse o tempo da restauração. Os loucos e os malígnos, tanto quanto os impiedosos parecem na verdade, apressados demais e afoitos se ocupam de infringir dores e danos aos que já receberam as marcas da promessa que lhes garantem o resgate ao final da jornada.

Como no início dos que caminhavam pelo "Caminho" eram perseguidos pelos caminhos, caçados pelas veredas e levados cativos aos cativeiros, em muitos locais da terra do presente século, eles continuam sendo vitimados, perseguidos, torturados e seus corpos destruídos pela sanha de algozes enlouquecidos pela expansão do bem e pela iminente volta do Senhor do Caminho.

Os eleitos e chamados igualmente se espalham pelas searas, pelos campos vastos da terra e levam consigo, as boas sementes da justiça. Ainda que poucos e insuficientes para enfrentar aquelas fronteiras que se alargam, o Espírito do Senhor tem multiplicado a eficiência da Palavra neles e com seus esforços de fé e perseverança, essa Palavra tem alcançado as redondezas da terra e chegado aos confins dela. Pés Formosos que anunciam a Graça que liberta e salva, vêm saltando montes, pulando muralhas, derrubando muros e saqueando as prisões da ignorância com as Boas Novas do Evangelho da Graça.

"Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina!"


São poucos ainda os que vão as nações enquanto peregrinam, todavia, Aquele que os enviou também os equipou para a missão, colocando uma Palavra que mais que Esperança, traz consigo a Salvação da alma para sempre. E mesmo diante de autoridades e perseguidores, essa Palavra lhes tem sido sussurrada ao ouvido pelo Espírito de Deus, que ao mesmo tempo que os consola, também os enche de ousadia e coragem. Porque o Senhor tem zelo da sua Palavra e por isso a faz prosperar atrás das próprias linhas do inimigo; além das fronteiras dos que se opõem ao Evangelho de Jesus.

"Porque, assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei."


Assim é que essas vidas lançadas ao "front" da batalha, vão na convicção dessa fé e na esperança de que os demais estão na retaguarda, suprindo com recursos e orações; estratégia e logística, para que a obra seja realizada por toda a Igreja Invisível de Cristo na terra. E não somente os que se põe a marchar sobre os caminhos áridos e adversos pelos continentes afora, mas todo aquele que professa o nome do Senhor Jesus e apregoa esse ano aceitável do Evangelho do Senhor na sua família, em sua comunidade, na sua escola, no seu trabalho e até mesmo, entre os enganados da religiosidade, confusos ao final dos tempos. Sim, porque ao final dos tempos muitos se apresentarão como enviados e apregoarão outro evangelho que não o de Cristo, e que se possível for enganarão até mesmo os escolhidos. Acautelemo-nos de tais falsos profetas que não produzem para o Reino de Deus, mas, para expandir as suas próprias fronteiras e satisfazerem seus bolsos largos, fundos e gananciosos. Sobre esses há uma exortação do apóstolo Paulo para nós que diz:


"Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema." Sim, seja abominável.

Porque existe um só Evangelho e um único Caminho a ser seguido, "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." E é esse o verdadeiro Evangelho que impede o total domínio das nações e o avanço mais ligeiro das fronteiras do mal.

Aos amados de "Pés formosos" que levam a Palavra do Cristo ressuscitado e amam a sua volta, toda a nossa consideração, admiração e todas as nossas orações, para que continuem, em nosso nome e no nome Santo do Senhor Jesus, a romperem as barreiras, saltarem os muros e derrubarem muralhas por amor as almas por quem Cristo se deu. Deus anime os seus corações e aplaine os seus caminhos. Fortaleça-lhes o espírito e alargue suas visões de fé. Em nome do Senhor do Evangelho, das Boas novas. E aos irmãos amados que tombaram pelos campos de batalha da terra, nossa gratidão e alegria no espírito pela certeza de estarem no gozo eterno do Senhor. Aleluia!

Pai... O Senhor me tem sondado e quebrantado minha vida, ao mesmo tempo que restaurado minha capacidade de amar as vidas. Sou pequeno, meu corpo é fraco e meu temperamento ainda possui muitas fraquezas, mas o Senhor é Deus, e toma as coisas fracas e sem valor para confundir sábios e entendidos. Usa-me Senhor em nome de Jesus. Amém!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

PÃO SOBRE AS ÁGUAS

Fomos feitos com propósitos.

Por menos que consideremos esse fato, há sim planos sobre nós. Projetos que talvez nem mesmo nossos pais pensaram ao nos gerarem em seus corpos. Não sabemos nada sobre qualquer um desses propósitos até que eles comecem a se cumprirem sobre nossas vidas.
Antes de percebermos em qualquer tempo, precoce ou tardio, algum deles, fazemos conjecturas sobre os caminhos do vento, sobre as estações que regem a natureza, imaginamos coisas que não cabem em nossas mentes e não podem ser contidos no coração. Imaginamos qual seja a vontade daquele que domina os pensamentos desde a eternidade, sobre cada um de nós e guarda cada um deles no esconderijo do seu coração.

Nascemos, crescemos e envelhecemos tentando descobrir os mistérios de Deus para as nossas vidas e às vezes, nessa tentativa, deixamos de fazer a essência daquilo para o qual com toda certeza fomos criados, viver. Viver não apenas para nós mesmos, mas essencialmente vivermos para servirmos outras vidas como as nossas.

Não há que aguardarmos uma vocação especial ou um chamado sobrenatural para que nos lancemos em favor daqueles que nos rodeiam, nosso próximo daqui ou dos confins da terra.

Fazermos algo de bom que traga bem para alguém é a missão do ser humano na terra e isso não depende de nenhuma convocação extraordinária para que se faça isso - o bem.

Assim se considerarmos como verdadeiro que há propósitos para nós dos quais não conhecemos fora do seu próprio tempo e justificarmos isso para reter as nossas mãos de fazer o bem em tempo de ajudar alguém; seremos como uma figueira frondosa e coberta de folhas mas que não produz frutos, que não serve para nada além de decorar algum pomar esquecido ou de tão secas, servir de lenha para o fogo.

"Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás." Pois há necessidades no mundo e existem carências de gestos e atitudes, ações, mobilizações e engajamentos, tanto quanto ou mais do que simples palavras e vastos discursos.

Há de tudo falta de um pouco de cada coisa, que nossas vidas foram sim, colocadas como veículos para que aqueles propósitos maiores sejam cumpridos igualmente na vida de muitos. Assim é que somos naturalmente convocados para semearmos a todo tempo.
Faça sol escaldante ou chuvas torrenciais. Sejam dias iluminados ou noites sombrias e transtornadas. Lancemos nossas boas sementes sobre a terra e não a retenhamos de nada.
Porque assim como o tempo e o vento estão longe de serem dominados, também não temos domínio nem conhecimento das sementes que germinarão no solo tanto quanto das que jamais vingarão.

Se nossas mãos estão supridas de dons e cheias de talentos, não estão assim apenas para nossa alegria, mas para que sejamos benção para muitos.

"Reparte com sete, e ainda até com oito, porque não sabes que mal haverá sobre a terra." Não podemos guardar conosco e para nós, aquilo que nos foi dado para beneficiar o todo. E façamos ligeiro o bem sem esperar por nada mais além. "Quem observa o vento, nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará."

Assim é que é a vida que tens por empréstimo também é para ser doada para algo ou alguém. Apesar de não sabermos o tempo das coisas e desconhecermos os propósitos para os quais estamos, seus sinais estão em nossas almas e seus impulsos é que movimentam nossas mãos em favor dos nossos iguais. "Assim como tu não sabes qual o caminho do vento, nem como se formam os ossos no ventre da mulher grávida, assim também não sabes as obras de Deus, que faz todas as coisas."

Somos instrumentos de Deus na terra, providos de muitos ou de poucos talentos, para em todo o tempo, sermos uns para com os outros. Se fortes e vigorosos, lancemos com força e vigor nossas sementes para que alcancem solos distantes.

Se porém pequenos e frágeis, lancemos com diligência ao nosso redor enquanto caminhamos essa breve jornada.

Se cultos ou indoutos, não importa, lança ligeiro o teu pão sobre as águas, pois há carências extremas e fome intensa na terra. E como sabemos, onde há fome, há pressa. "Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão igualmente boas." E é dessa maneira que a economia do Senhor atua sobre todos e suas providências eternas são espalhadas sobre seus filhos e filhas. É assim que a generosidade do nosso Deus atuando em nós como recursos e canais de bençãos, sai de nós para muitos e retorna para nós, das próprias mãos do Senhor.

Assim é que na verdade não precisamos conhecer de todo os propósitos eternos do Senhor para nós, mesmo porque sabermos ou não deles, não impedirá que eles se cumpram. "Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido."

Que Deus nos ajude a sermos benção na vida do nosso próximo, sempre.

Que nunca falte a palavra que acalma, consola e anima o meu próximo.

Que as minhas mãos jamais se encolham para ajudar aquele que precisa.

Senhor, sou pequeno, frágil e debilitado e nada entendo sobre os estranhos caminhos do vento, todavia Senhor, cumpra em mim o Teu propósito que é desde sempre. Manifesta o Teu poder nas minhas fraquezas e usa a minha vida Senhor para te honrar e glorificar, livrando-me de envergonhar o Teu nome de qualquer maneira. No nome de Jesus. Amém!

domingo, 8 de novembro de 2009

UM SIMPLES ABRAÇO JÁ SERVE, VIU!


Eu não sei se acontece às vezes com você também, mas tem dias que a gente acorda com vontade de alguma coisa que não temos a mínima noção do que seja. Você já teve isso alguma vez, hein?

Sei lá...
Vontade de comer alguma coisa gostosa que traga a memória afetiva algum instante feliz, talvez da infância ou quem sabe da mocidade.

Sei lá...
Um programa diferente como a gente fazia todos os sábados, experimentando todos os rodízios de pizza da cidade.

Sei lá...
Quem sabe fazer algo inusitado, inesperado, como chegar de surpresa na casa de um amigo que a muito não vemos.

Sei lá...
Procurar até encontrar na lista de telefones um nome conhecido de algum colega de 'facu' e imaginar seu espanto ao reconhecer a sua voz após tanto tempo de formados.

Sei lá...
Ou algo mais subjetivo, mais sentimental, mais emocional. Quem sabe, pegar a própria esposa pela cintura e começar a dançar um tango desajeitado, girar feito maluco pela cozinha na hora que ela prepara o almoço.

Agarrar de surpresa o marido pelas costas, colocar as mãos nos olhos dele e perguntar-lhe: "Adivinha quem é!"

Passar a mão sobre a cabeça do filho pequeno, sentar-se no chão e rolar por entre aqueles brinquedos todos espalhados.

Bagunçar os cabelos grisalhos do seu 'véio' ou dar um beliscão na bunda da sua avózinha distraída fazendo crochê no cantinho da sala.

Sei lá...
Ficar de preguiça, andar de meias e pijama pela casa.

Ver desenho animado do pica-pau, do Mickey e dar risadas bestas das trapalhadas do Pateta.

Tomar sorvete direto da lata de dois litros sentado em frente a TV vendo o "Chaves" ... irritante como sempre, né não?

Matar um dia de trabalho.
Quem sabe dois dias, hein?

Escrever uma poesia sem rimas.

Comer iogurte sem colher e depois lamber a tampinha de alumínio.

Cantar aos berros "Não se reprima...não se reprima..." debaixo do chuveiro e dar muitas gargalhadas de tão ridícula cena. Menudos...Fala sério, hein!

Sei lá...
Recordar uma namorada de quem gostava e tomou aquele "toco"
infeliz. Lembrar daquele beijo roubado do garoto que nunca mais viu.

Sei lá...
Tem alguns dias que sentimos falta de algo que não temos a menor noção do que seja enfim, não é?
Talvez de um beijo;
Quem sabe um pequeno elogio;
Um afago, um cafuné.
Talvez apenas um sorriso... Melhor o seu é claro, né!

Sei lá...
Um aperto de mão ou até um abração.
Uma palavra de afeto e carinho, só prá estimular qualquer dia chato como esse.
Quem sabe ler um bom livro;
Ou mesmo reler aqueles clássicos empoeirados esquecidos na estante.

Talvez alguma coisa assim possa preencher algum vazio que a alma esteja sentindo e de vez em quando, deixa o coração assim. Sim, vazio demais para compreender até mesmo aquilo que tanto faz falta. Aquilo que mesmo preenchido por instantes logo se esvazia como fosse um buraco sem fundo.
Gestos;
Toques;
Carinhos e carícias;
Sentimentos;
Palavras,
Maneiras e jeitos.
Sensações reais e sonhadas.
Prazeres;
Alegrias novas e lembranças felizes.
Odores, aromas e sabores.
Afetos antigos e outros favores.

Sei lá...
Se enchidos os cantos e preenchidos recantos, e ainda assim, persiste o vazio sem qualquer encanto. Então o caso é mais profundo, por isso grita com tamanha eloquência que menos atentos, não atendemos os anseios da nossa própria alma que apenas diz com gemidos inexprimíveis:
"A Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. A minha alma anseia e tem fome de Deus."

Sim, meu amigo e minha amiga, a nossa vida é mesmo assim, às vezes cheia de nada e geralmente, carente de Paz no espírito, e isso é que é tudo.
É por isso que sentimos falta de algo assim que não tem jeito de ser preenchido, nem com tantos dons e talentos, nem com tantas lembranças, gestos e atitudes.
É por isso também que às vezes o coração dói, sangra pela ausência sei lá do que. É por isso que ás vezes nos sentimos tão ausentes de nós mesmos, tão vazios de qualquer coisa que não sabemos o que possa ser.

"Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus." (Sl. 42:11)

Mas talvez quem sabe... Você assim como eu nesse momento, só esteja precisando mesmo um simples abraço, hein!
Me diga então...UM SIMPLES ABRAÇO JÁ SERVE?
Serve o meu?
Legal! Toma aqui um forte abraço meu amigo.
Ah tá...
Um abração prá você também amiga.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

ELOGIO - NÃO CUSTA NADA E FAZ UM BEM ENORME


Talvez essa situação que uma grande parcela dos lares de hoje enfrenta, não se enquadre no dia-a-dia da sua família. É possível até que você não conheça lares em que ocorra esse tipo de comportamento. Mas ao menos você deve ter informações de que existe hoje ocorrência frequente em grande parte da nossa sociedade, não é mesmo?

Ah... Eu ainda não disse do que estamos falando aqui hoje, disse não, né?

"ELOGIO - NÃO CUSTA NADA E FAZ UM BEM ENORME."

Bom, a gente que gosta de estar informado sobre as notícias, sobre as novidades que estão acontecendo em nosso planetinha azul, vez ou outra esbarra com divulgação de pesquisas de todo tipo e espécie.
A que eu estava me referindo para chegar até aqui, é uma de que renomados psicólogos terapeutas que atuam com familias, divulgaram pesquisa - mais ou menos recente, onde destacam que as famílias brasileiras estão cada vez mais frias. Apontam nessa pesquisa, a ausência de demonstrações explicitas de afeição;

Não existe mais carinho, não valorizam mais as qualidades e só se ouvem críticas quase em tempo integral. Você também concorda com isso ou não, hein?

Parece que esse tipo de comportamento na nossa "célula básica" também se espalha com rapidez para as outras células da sociedade. Assim parece que as pessoas estão cada vez mais intolerantes e se desgastam ‘valorizando os defeitos’ dos outros.
Consequentemente, os relacionamentos cada vez mais são menos duradouros. E isso não ocorre, segundo a pesquisa divulgada, apenas nos lares, nas famílias de menor renda onde se poderia até tentar justificar pela dureza e aridez face as dificuldades económicas, mas principalmente preocupantes pela frequente ocorrência nas familias de rendas melhores e mais altas até.

Os especialistas apontam que há uma a ausência de elogio nos tratamentos entre os membros das famílias.. Assim é que não observamos os maridos elogiando suas esposas e vice e versa. Não vemos mais pais e filhos se elogiando; amigos, colegas de trabalho, funcionários, etc. e tal.

De fato essa ausência de elogio, gentileza e amabilidade tem afetado muito as famílias. Você consegue perceber isso ou os pesquisadores estão malucos, hein?

Eles ainda observam que a falta de diálogo entre os membros da família brasileira, o orgulho excessivo, são igualmente fatores que impedem a manutenção saudável e harmoniosa dos relacionamentos.

Lendo as conclusões que eles chegaram, a gente pode igualmente concluir que É necessário o reconhecimento das pessoas próximas, do nosso convívio mais íntimo. É preciso que encontremos nelas as qualidades aparentes ou mesmo latentes para valorizarmos apropriadamente cada uma delas.

Afinal de contas, quem de nós não gosta de ser reconhecido?

Quem de nós não gosta de ter suas qualidades destacadas?

Quem de nós não gosta de receber um elogio, hein?

É o elogio entre os parceiros que estimula os relacionamentos e motiva os membros de qualquer grupo social, não é mesmo? Nenhum ser é uma "ilha" e todos precisamos uns dos outros.

É portanto, imprescindível que a gente valorize as pessoas, a começar dos nossos familiares, amigos, colegas de trabalho, funcionários, etc. e tal. Você tem noção de quantas pessoas precisam, merecem e aguardam um elogio seu, meu, nosso? Você nem imagina, não é?

Não imagina quantas pessoas você poderá fazer feliz somente por surpreende-las com um simples elogio? Não acredita?

Experimenta fazer isso hoje e depois me conta, tá bom? Afinal de contas Elogiar não custa nada e faz um bem enorme, né não?

"Só existe uma coisa melhor do que fazer novos amigos: conservar os velhos."

Mas fala sério, hein?
Você está muito linda hoje, viu?
Sei...
Você também tá bem bonitão hoje, viu seu "malacabado!"

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

BOM-HUMOR


"Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do SENHOR é a vossa força."

Vez ou outra a gente esbarra com situações que deixam claro que as pessoas estão 'surtadas' de má vontade, mal-humoradas e deprimidas.

Há uma atmosfera de irritação e inquietação generalizadas por aí, que a gente consegue sentir só de respirar esse ar. Você consegue sentir?

Exemplo são pessoas que lidam com atendimento do público em balcões, guichês, gabinetes, consultórios, nas escolas, ônibus e em qualquer lugar, que fazem dessa atividade um suplício, um terrível sacrifício diário.

Aquelas "caras amarradas" e carrancudas, deixando bem claro com quanto desgosto executam suas funções, não é mesmo? Quem já não 'trombou' com uma 'tromba' dessas por aí, hein?

Executam com uma má vontade que chega a nos dar vergonha de incomoda-las e dá vontade de pedir desculpas pelo atrevimento em dirigir a voz para ela.

Também parece que há uma falta generalizada de alegria, de satisfação e contentamento nas pessoas que circulam a nossa volta, já percebeu isso ou não?

A gentileza e a educação com as pessoas, nos contatos diários, nas comunidades, nas escolas, nas igrejas inclusive, e no seio das familias, tornou-se muito comum suas ausências.

As pessoas parecem transtornadas, tristes, irritadas demais para enxergarem beleza nas coisas do simples cotidiano. Estão mal-humoradas demais para terem um comportamento sensível e simpático.

Não são raras as atitudes violentas e irracionais no trânsito das grandes cidades, Tão pouco nas praticas de gestos de cidadania, demonstradas nos atos de egoísmo, desprezo pelo bem publico, indiferença com idosos, deficientes e fragilizados da sociedade.

Uma quantidade enorme de pessoas que somente conseguem enxergar o "copo d'água quase vazio" quando ele está pela metade, ou seja, "quase cheio." Encarando a vida como ela fosse um imenso fardo, um caminho só de espinhos. Você percebe essa atmosfera a sua volta ou não, hein?

Elas infelizmente não percebem o sol que brilha e aquece a terra; que a faz iluminada e radiante durante os dias. Nem ao menos conseguem ver a beleza que é o luar e as estrelas do firmamento enfeitando de brilho divino as noites - todas essas lindas noites de todos esses belos dias!

Ah! Como é bom e desejável que toda gente possa cultivar o bom-humor. Que possa encarar a vida com bons olhos, olhos de otimismo e entusiasmo pela vida, não é assim?

Não é que as pessoas devam ignorar, mascarar, e enganarem-se diante da realidade desfavorável e momentânea. Não é isso não, viu?


Também não é viverem ocultadas nas suas percepções e deixarem suas mentes fugitivas dessa realidade que deixa corajosos e valentes em pânico. É talvez, enxergar essa realidade com esperança e bom-humor, com entusiasmo, acreditando sempre, que há de vir coisa melhor, e não sempre o pior. Isso tem que ser desenvolvido na gente e posto em prática como fosse um hábito natural - enxergar essa vida, essa nossa rotina, esses relacionamentos, essas adversidades que não podem ser impedidas, esses dias quentes ou frios, essas noites claras ou chuvosas, sempre com a melhor expectativa, sempre com muito bom-humor.

Sim, porque o bom-humor sempre será um agente contagiante, que espalha a alegria e a satisfação puras pela existência e o entusiasmo necessário para transformar as coisas da nossa vida.

"O entusiasmo é a maior força da alma. Conserva-o e nunca te faltará poder para conseguires o que desejas."

Sejamos então, agentes voluntários de bom-humor e transformadores, sem crachá, da sociedade onde estivermos inseridos. Que tal, hein?

sábado, 10 de outubro de 2009

FELICIDADE NÃO É DESTINO E SIM ESCOLHAS


Alguém já disse que "não existe um caminho para a felicidade, a felicidade está no caminhar." Você já deve ter lido isso em algum outro lugar, não foi? Mas eu repito aqui porque acredito nisso também, viu?

Sabe, tem muita gente - gente prá caramba aliás, que adquiriu o hábito de deixar tudo para depois, como se pudesse escolher o tempo em que as coisas da vida pudessem acontecer.
Não entendeu? Tá bom, eu explico "agora" prá você, ok? Por exemplo:

Muita gente deixa para ir ao médico depois, quando a dor já não puder ser suportada e a enfermidade tratada.

Muita gente tem o péssimo hábito de deixar para mais tarde aquela manutenção preventiva dos itens de segurança do seu carro. Você não é desses não, né?

Você não imagina quanta gente deixa sempre para a última hora as coisas que tem prazos para terminar, como se nenhum imprevisto, pudesse impedi-lo de atrasar-se, ou nunca chegar.

A maioria fica na expectativa de que uma oportunidade melhor virá, uma após outra, e que se continuar aguardando, escolhendo, a melhor oportunidade cairá no seu colo sem maiores esforços.

Um emprego melhor em que se produza menos e se ganhe mais.

Uma chance perfeita para se declarar para a garota pela qual nutre um sentimento platônico.

Uma época mais adiante, bem mais para frente, em que pensa buscar as coisas espirituais, encontrar-se com Deus.

Uma experiência súbita que lhe possa dar felicidade instantaneamente.

Tantos esperam que ela, essa tal felicidade, venha de repente, embrulhada para presente. Que alguém a venha trazer à porta do seu conforto, bata na porta... 'toc... toc ...toc'... e sem maiores esforços ou dificuldades, a felicidade lhe seja entregue como por algum mérito especial.

Essas pessoas irão fatalmente enfrentar a decepção e a frustração ao final do caminho. Porque a felicidade não se encontra em nenhuma prateleira, estrategicamente empilhada para ser escolhida e levada para casa. Não é assim que a coisa toda funciona, viu?

Não está disponível aos que esperam por ela.
Não está a mão dos que não lutam para achá-la, nos obstáculos, nas adversidades, nos compromissos e responsabilidades, nos encontros e desencontros da vida.

Mas ao contrário disso tudo, as pessoas que têm alcançado felicidade, a tem encontrado no caminhar, apesar dos obstáculos que se têm que superar; das adversidades das quais não se pode fugir; dos compromissos e responsabilidades que se deve cumprir consigo mesmo e com os outros, e acham a felicidade apesar dos encontros e desencontros da vida.

Sim, na verdade tudo isso é importante e necessário para que se descubra a felicidade. É nisso que está o prazer de viver. Sem se eximir de culpa e omitir-se da luta.

E é nessa perspectiva que se pode enxergar que não existe um caminho para a felicidade, mas que a felicidade é o próprio caminho!

Assim, o melhor a fazer não é deixar para depois das coisas que devem ser feitas, para viver e ser feliz, mas fazer isso tudo enquanto se caminha, se vive e se descobre igualmente, a felicidade.

Você já sabe que o tempo não espera ninguém, não sabe? Então, pare de esperar até que você termine sua faculdade; que você emagreça aqueles 2 ou 3 quilos.

Não espere para depois de ter seus próprios filhos; nem aguarde até que eles já tenham saído da barra das suas saias.

Não deixe para ser feliz a partir de segunda-feira; depois que adquirir sua casa própria; depois que comprar uma mais nova.

Não espere para quando acabar o inverno ou chegar o verão. Não deixe para quando se aposentar; nem espere para encontrar-se tardiamente com Deus.

Você precisa decidir que a melhor hora para ser feliz, é exatamente agora, agora mesmo!

Felicidade não é destino e sim escolhas, entendeu?

"Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos. Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem. A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa. Eis que assim será abençoado o homem que teme ao SENHOR." (Salmo 128)

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

AS ESCOLHAS PARA UMA VIDA



No último dia 5 de outubro, pude falar para uma turma frenética da 8ª série do Ensino Fundamental. Tratava-se de uma série de Conferencias que a Direção e a Coordenação da Escola Municipal João Ramalho, em Cubatão - SP, está fazendo, com palestrantes, de diversas áreas profissionais, tendo como público alvo, os alunos que estão terminando o ensino fundamental.

A moçada, entre 13 e 15 anos, foi reunida no pátio da escola para me ouvirem falar sobre a profissão de arquiteto e aspectos da vida envolvendo esse profissional. Durante quase uma hora e meia, pude contar um pouco sobre minha experiência nessa área, como Arquiteto e Urbanista, sobre mercado, sobre campos de atuação, etc., e tal.
Claro que o grande desafio é realmente encontrar a linguagem ideal, adequada ao entendimento e despertar o interesse desses adolescentes para um assunto desses, nessa época de suas vidas.

Não é mole não, viu?

Havia mais de 90 adolescentes e vários professores na plateia. Procurei, na verdade, dar um depoimento sobre a profissão, sobre as alternativas que esse nobre ofício de formação generalista, permite desenvolver atividades em vários ramos e segmentos de mercado.

Pessoalmente eu acho extremamente precoce que essa turminha tenha que começar a pensar em escolher algo que pode ser para a vida toda. Mas a verdade é que os adolescentes de 14, 15 anos de hoje, possuem um nível de informação muito superior ao que minha geração tinha no início daqueles incríveis anos setenta. Velho? Não, antigo, né?

Mesmo sendo a linguagem a ser usada de difícil adequação, ainda assim, tentei falar sobre a vida, sobre escolhas, sobre eventuais "pedras e perdas" no caminho e a necessidade de correções de percurso. Pude compartilhar alguns dos meus pensamentos sobre a vida profissional após a perda da visão e as dificuldades para retomar a profissão de arquiteto, em virtude da falta de acessibilidade dos recursos e ferramentas de projeto. No meu tempo, os projetos eram na ponta da caneta 'nankim' e na força e leveza do traço livre sobre o papel manteiga e vegetal. Régua "T" debaixo do braço e montão de esquadros caindo pelos vãos das pastas de material de desenho. Eta Saudade, viu?
Quem sabe se desenvolvam programas para arquitetos cegos, hein?

Falei sobre a vantagem que a formação de planejador e organizador de espaços, conhecimentos amplos que o curso proporciona e desenvolvimento da parte criativa do pensamento, acabou me favorecendo quando fui trabalhar na área de Comércio Exterior e Transporte Internacional. Hoje essas atividades estão contidas na Logística. Uma área igualmente muito interessante, e muito solicitada no mercado de trabalho da Baixada Santista. Já existem alguns cursos para a formação desses profissionais por aqui também.

Durante a explanação livre, pude dar pequenos depoimentos e vida para aquela moçada inquieta e até certo ponto, irreverente. O 'feed-back' veio algumas horas mais tarde, quando a Coordenadora que me convidou, para falar sobre a profissão de arquiteto, foi procurada por uma aluna que disse que estava pensando em fazer Arquitetura. Eu pensei:
- "Ufa! Alguém foi contagiado."

Enquanto estive lendo algumas atualizações para poder não "pagar por um mico e comprar um gorila", eu li que existem no Brasil, cerca de 170 escolas de Arquitetura e Urbanismo e que mais de 55000 alunos iniciam o curso. Também que são lançados no mercado anualmente, cerca de 6000 novos profissionais. É gente prá caramba, né não?

Pude contar ainda, com a participação ativa da minha maior colaboradora, incentivadora e "crítica literária"...(rsrs), minha esposa Vivian. Além de assistente de congressista "caido do caminhão de mudanças"...(rsrs), ela também registrou o evento com a lente esperta da sua câmera fotográfica.

Bem, na verdade o maior beneficiado com tudo isso foi o palestrante, eu próprio. Ao final da minha fala, a turma aplaudi-o com grande alarido, próprio dessa efervescente idade. Foi ótimo mesmo. Não sei se porque gostaram ou porque enfim, acabei de falar, né? O fato é que me senti gratificado e feliz por nessa altura do campeonato, ter sido útil com a minha história, experiência e atitude, após ter eu mesmo, ter que arrancar algumas "pedras" do caminho.

Sei que ali havia sonhos enormes em mentes tão jovens. Realidades diferentes, mas histórias tão frequentes. Uma geração que cada vez mais prematuramente, é pressionada a fazer escolhas tão importantes para a vida toda, em um momento da vida em que estão em desenvolvimento físico, emocional e intelectual. São infelizmente, sinais dos tempos.

Mas essa escola não se eximiu da responsabilidade e solidária com os pais dos alunos, e se apressa em agregar valor ao curso. Estão de parabéns pela iniciativa, viu?

Essa experiência nova também para mim, permitiu uma reflexão e inspirou um pensamento.

Diante de nós se encontram caminhos toda hora, e assim sempre é hora outra vez de escolhermos em qual deles seguiremos á partir de agora.

Se permanecemos na mesma estrada que nos leva onde achamos que estaremos sempre seguros; ou, se arriscamos uma escolha nova, e enfrentamos igualmente, um destino melhor apenas imaginado.

Diante de nós se encontram caminhos. É hora outra vez de escolhermos em qual deles seguiremos.

Se iremos pelos caminhos conhecidos de outras gerações para experimentarmos as mesmas sensações que elas, sentiram; ou se escolhemos caminhos menos conhecidos e desbravamos percursos poucos experimentados.

Sim, porque não podemos nos omitir de fazer certas escolhas. Elas se apresentam diante de nós cada vez mais precocemente. Cada nova geração que se põe na caminhada, se vê constrangida a tomar decisões que poderão impactar drasticamente, todo o caminho.

As alternativas são muitas e estão diante de nós. Umas, longamente experimentadas e por isso mesmo, consideradas seguras e confiáveis; outras alternativas, são sinais dos tempos, frutos das modificações e transformações ocorridas em nossa sociedade. Mas tanto umas como as outras estão aí, prontas para serem trilhadas.
*
Ah! Um recadinho para aquela turminha:
Tratem de passar de ano, senão vão ter que ouvir o "Tio" falar tudo de novo ano que vem, hein!

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Sob um novo olhar....: RIO 2016

Sob um novo olhar....: RIO 2016

RIO 2016

PARABÉNS RIO DE JANEIRO!

Como uma grande massa de brasileiros que gostam de esportes e acreditam ser esse um dos melhores instrumentos de desenvolvimento do ser humano no sentido mais amplo da palavra, fiquei muito contente com a escolha do Rio, para sediar as Olimpíadas de 2016. Demos já "um cassete" nos outros países concorrentes e já saímos na frente, né não?

O Brasil, dessa maneira, se impõe definitivamente, como uma potência emergente nas américas que merece as atenções do planeta, para sua capacidade de organizar uma empreitada de enormes proporções como é o "Jogos Olímpicos".

Temos igualmente, enormes problemas aqui dentro, que também estão e estarão na mira de toda imprensa, especializada em esportes ou não, nos próximos sete longos anos em que estaremos montando o grande palco para receber o mundo na Cidade Maravilhosa.

Será sem qualquer dúvida, um desafio "hercúleo" para os organizadores brasileiros, para as autoridades, para os nossos atletas e para o povo brasileiro do Rio de Janeiro.

Mas devemos nos lembrar, que o Brasil terá, até 2016, duas grandes eleições majoritárias e mais duas para as prefeituras e câmaras, se não estou enganado. Me corrijam se eu estiver, tá?

Esse governo que está acabando no próximo ano, mas que agora celebra a conquista sobre três grandes cidades concorrentes, Chicago, Tóquio e Madri, não estará a frente dos empreendimentos que se farão necessários, para tornar realidade, aquele filme do Fernando Meireles que contagiou o comitê votante e atraiu os olhos simpatizantes do mundo. Não vai ser essa turma não, né mesmo?

Então é preciso que os próximos governos, estejam comprometidos com essa conquista de agora, para que não percam nem o entusiasmo e nem o foco sobre a oportunidade que nosso país tem agora, de mostrar que somos um povo que pode. "Sim, nós podemos!"

Podemos organizar um Campeonato Mundial de Futebol, em 2014, e podemos organizar uma Olimpíada em 2016.

Logo, é de imaginar que podemos organizar as nossas contas públicas, tanto quanto podemos diminuir as carências estruturais do nosso país.

Assim também podemos diminuir as desigualdades sociais, as defasagens educacionais, as carências habitacionais e as necessidades sanitárias da nossa nação.

Não podemos fazer isso tudo com propaganda institucional e campanhas publicitárias fantásticas. Não dá não, né?

Será preciso um esforço político convergente para a solução da nossa realidade, que jamais se resolverá com discursos veementes e gestos emocionados.

Desde já, somos mais que torcedores empolgados não somente com o sucesso dos nossos jogadores e atletas, mas também e principalmente, para que a sociedade brasileira se aproprie dessa oportunidade para transformar os desequilíbrios históricos do nosso país em benefícios para todos.

Além de torcedores frenéticos de verde e amarelo, cabe a todos nós, sermos fiscalizadores atentos, para que essas oportunidades não sejam canalizadas para uns poucos privilegiados. Que não nos venham com "Pão e Circo" ou "Bolsa disso e daquilo e Olimpíadas" que a galera 'tá ligada', viu?

"Sim, nós podemos!"

Podemos ser um país de vencedores em qualquer empreitada que nos propusermos a enfrentar.

Então que venha a Copa do Mundo de 2014 e que venha os Jogos Olímpicos de 2016.

Valeu Rio!
Valeu Brasil!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

HÁ GREGOS E TROIANOS


A Simpatia não enxerga nossos defeitos; a Antipatia não enxerga as nossas virtudes; mas a Empatia é aquela capacidade natural da Amizade verdadeira, que consegue enxergar em nós, tanto um defeito quanto uma qualidade, e ainda assim, permanecer ao nosso lado.

Agora, o melhor de tudo é que sendo como somos, tendo pouco ou muito não importa, a Simpatia, a Antipatia e a Empatia são absolutamente gratuitas e por isso mesmo, nós não as conseguimos explicar.

Excluindo-se o Amor, não há explicação para que nós despertemos sentimentos tão opostos, sendo nós mesmos, a mesma pessoa o tempo todo.

Como explicar ainda os julgamentos de pessoas que gratuitamente tem aversão natural a nós?

Como justificar a amizade espontânea que nasce sem maiores juízos sobre o que somos?

É como querer explicar o ódio sem intimidade ou justificar o amor sem convivência.

Há aqueles que nos amam de forma incondicional, como também há aqueles que nos rejeitam de maneira desproporcional. Para os que nos amam basta um sorriso para sermos perdoados, todavia para aqueles que nos odeiam, o mesmo sorriso basta para sermos apedrejados.

E ninguém consegue a unanimidade; ninguém é totalmente querido por todos o tempo todo, tanto quanto alguém não é odiado por todos todo o tempo. Portanto, é impossível agradar aos "gregos e troianos" e amigos e inimigos, conhecidos ou não. Não dá.

Existem amigos que são mais que irmãos e que conseguem se colocar em nossa situação, para entenderem as nossas atitudes. Existem outros que não tendo essa capacidade, acabam nos julgando com preconceito e passionalidade.

Aos que assim procedem e sem proximidade nos julgam, nenhuma explicação é suficiente, tanto como não é para aqueles que gratuitamente nos rejeitam.

O Amigo verdadeiro é aquele que possui por nós, grande simpatia, e com a intimidade que a convivência promove nas almas, elas se tornam capazes de sentir o que sentimos, sofrendo o que sofremos ou alegrando-se com a nossa alegria.

O Amigo verdadeiro é aquele que torce pelo nosso sucesso, chora com os nossos fracassos, se ri das nossas bobagens e nos repreende com brandura nos nossos erros.

Já aqueles que tem antipatia por nós, e sem razão nos rejeitam, sem explicação fazem pouco de nós, não há o que fazer a não ser limparmos a poeira da sola dos nossos pés e seguirmos nosso caminho a sós.

Melhor é a sabedoria do amigo do que a esperteza do inimigo. Assim sendo, mantenha seus amigos ao seu lado e os inimigos a sua vista, tá bom?

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

AQUELE ATO DE AMOR


Ainda assim, mesmo que conseguisse fazer algo para compensar tamanho ato de amor, não seria o bastante, nunca o suficiente.

Ainda que achasse em mim, alguma coisa tão preciosa e a quisesse dar em troca daquele ato de amor, creia-me, seria ato vão e sem nenhum valor.

Mesmo que houvesse conquistado todo ouro e toda prata do mundo, e com eles quisesse pagar por aquele imenso ato de puro amor, não haveria como alcançar o preço daquele inigualável favor.

Imaginar que de maneira alguma, de forma outra qualquer que fosse a ação, eu poderia resgatar com igual eficácia que não o sangue de meu Jesus, a minha própria eternidade em glória, seria simples imaginação.

Não poderia fazer pelos meus próprios méritos, nem mesmo com o meu próprio sangue derramado até o fim.

Não haveria tesouro ou outro valor na terra para quitar minha dívida e rasgar o compromisso de morte que meu pecado fez pesar sobre mim.

Nem anjos e nem poderes daqui ou do céu, poderiam tornar-me inocente e salvo, a não ser aquele imenso ato de amor de meu Jesus, ao se deixar ser pregado na infame cruz.

Assim não há preço a ser pago, não há.

Não há mais dívida a ser por mim resgatada.

Minha vida custou tão somente a vida e o sangue de meu Jesus, mas Ele fez tudo isso de graça, por puro ato de sublime amor.

Que coisa espantosa foi aquilo e que maravilhosa também. Dar sem preço a Sua própria vida, sem custos, para salvar alguém.

A Jesus toda honra e glória, pelo bem que me faz.

A Ele toda adoração que minha alma agradecida é capaz.

Jesus, esse é o nome que me importa, e pelo qual fui transformado. Jesus, de minha alma tu és o amado.

Mesmo conhecendo Seu sacrifício, sabendo pelas escrituras de toda a Sua dor, não há como não estar agradecido e feliz, pela morte naquele lugar, do meu querido Jesus.

Pois se assim não tivesse sido, e se Seu sangue inocente não houvesse vertido, nem eu e nem você, nem antes ou depois, teríamos o direito pela fé, de entrar no Reino de Deus, onde habita e reina, o meu amado Jesus.