quarta-feira, 8 de julho de 2009

EXCESSO DE PESO



Estávamos em casa num dia desses chuvosos, em que a TV também está "aquosa" e "insípida" como caldo de galinha ralo. Varrendo os canais em busca de algo interessante e derretendo o controle remoto, 'zapeando' sem dó nem piedade, atrás de um programinha que não nos provocasse diarreias cerebrais nem maiores danos no nosso sistema nervoso central. Pegou a cena né?
De repente, paramos num desses canais que fazem documentários e o assunto era a história de uma mulher de 40 anos com quase 200 quilos. Ela tentava se submeter àquela cirurgia de redução de estomago, que era a única solução para "esticar" sua vida. O documentário apresentava o depoimento de familiares e dos profissionais de várias especialidades que compõem a equipe da clinica. Ela possuía o tal perfil "superobeso" e seu grau de risco era, segundo os médicos, extremo.
Bom, paramos para ver a história dessa mulher e durante alguns minutos, foram expostos diversos ângulos de uma vida de muito sofrimento; frustrações, rejeições, distúrbios, carências e traumas, que juntos, eram como enormes fardos que foram sendo acumulados ao longo da sua vida, materializados em células de gordura. E diga-se de passagem: Haja células, viu!
A Psicóloga da equipe multidisciplinar que a acompanhava, depois de um período em que entrevistou a paciente e sua família, agora discutia com a equipe de cirurgiões, uma abordagem segura para o caso dela.
Durante as investigações que foram feitas, descobriu-se o início do processo autodestrutivo. Traumas da adolescência foram expostos naquele documentário e os problemas familiares não resolvidos brotaram do fundo da alma como um vômito; como um grito de socorro.
Aquela mulher à partir de alguns eventos de relacionamentos, começou um processo de "engolir os problemas" e compulsivamente foi adquirindo com o tempo, maiores e mais pesados "fardos" na forma de comida. Ela literalmente comia seus problemas engolia suas angústias.
Os médicos haviam aconselhado que ela perdesse, antes da cirurgia, cerca de dez porcento do seu peso, para que a operação fosse feita com um risco menor. Todavia, a mulher havia engordado mais ainda ao invés de perder. Esse fato apontava,lamentavelmente, que ela viria a sabotar a cirurgia.
A equipe cogitava não realizar a operação enquanto aquela mulher não tratasse do "Excesso de peso" emocional que a mantinha presa aos seus traumas. Ela remoía o tempo todo seus ressentimentos e mágoas, e ao não querer se livrar deles, havia entrado em rota de autodestruição com final iminente. Sabe, dava muita pena ver a situação daquela mulher, afundada sozinha em uma cama de casal, triste e cercada de memórias traumáticas.
O programa mostrou outras histórias de outros homens e mulheres que obtiveram sucesso na mesma cirurgia, mas que deixaram antes, os "fardos" de um passado semelhante ao da mulher, para então, terem o peso da gordura retirados de seus corpos.
E ao final do programa, a equipe médica recusou-se a fazer a cirurgia, até que ela se tratasse da "gordura mórbida dos seus traumas emocionais."
Bom, enquanto eu assistia todo esse enredo com forte carga emocional, comecei a "viajar" na minha imaginação, sobre algo como, "Excesso de fardos na alma." Sim, como as pessoas "engordam" suas existências de "gorduras" insolúveis. Como os problemas não resolvidos provocam mudanças no físico e na mente das pessoas, que ao não se livrarem deles, desenvolvem uma "obesidade mórbida" que acabam provocando até invalidez funcional. Claro que não é minha especialidade, mas como eu disse antes, foi uma "viajem" na minha imaginação.
É muito triste a vida daquelas pessoas "obesas na alma" tanto quanto a das que esperam através dessa intervenção cirúrgica, se verem livres de seus "excessos de peso." Sim, imagino que seja um peso enorme que as pessoas carregam dentro de si mesmas. Algo que sem dúvidas causam intensa dor e um sofrimento constante na mente. Tanto quanto a recomendação médica no caso daquela mulher obesa mórbida de corpo e alma, como para todos que "acumulam" na vida, fardos desnecessários,, a necessidade de se livrar o quanto antes deles, se torna imprescindível para a mudança de vida e o sucesso em todos os níveis.
Jesus, nosso maior e melhor psicólogo, apresenta um caminho para que todos possam alcançar a alegria e a paz que precisamos. Ele se envolve com esse círculo vicioso de nos sobrecarregarmos de fardos na alma que provocam a maioria das enfermidades que nos acometem também o físico. Ele se interpõe na nossa triste trajetória mórbida, se colocando para que nele sejam lançados todos nossos fardos, preocupações, traumas, dores e pecados ocultos ou não, em suas costas. Oferece em troca desigual, a sua vida, o seu jugo suave e seu peso leve, para que encontremos nele, o livramento dos "excessos de peso" da nossa alma, as nossas culpas.
"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve." (Mateus 11:28-29)
Como você agora deve ter percebido, Jesus quer fazer uma cirurgia "bariátrica" nas nossas existências obesas. Quer reduzir drasticamente o nosso *IMC - Índice de Mente Culpada, propondo em troca do nosso arrependimento e abandono de nossas atitudes "mórbidas", o seu perdão eterno.
Existem muitos outros ditos especialistas na alma humana, oferecendo tratamentos incríveis, milagrosos, mirabolantes e "rebolantes" até, e às vezes, por alguns terem um efeito rápido e aparente, muitas pessoas concorrem ansiosas para eles. Acabam enfrentando aquele conhecido "efeito sanfona" e logo logo estão novamente na situação anterior, ou pior, mais "obesos na alma" que antes.
Sabe, Jesus oferece um método infalível para o tratamento da "obesidade mórbida da alma". Sua intervenção é profunda e permanente, completa e eficiente para restaurai nossa vida e levar-nos a uma comunhão feliz com nos mesmos, nosso próximo e principalmente, com o nosso Pai Eterno.
Olha só: Se você, por um acaso, também estiver com o seu *IMC - (Índice de Mente Culpada), incomodando o seu desenvolvimento, impedindo o seu sucesso espiritual, faça já uma consulta com o Dr. Jesus. Ele tem o diagnóstico exato e o tratamento perfeito para sua "obesidade existencial" e mesmo para aquelas "gordurinhas localizadas" que atrapalham nossas vidas, viu?
Vá lá! A Consulta é de GRAÇA.

Ops! Tô com um "pneuzinho" de trator aqui na cintura. É ruim hein! Jesus, dá um jeito aqui óóó....

***
(*IMC na verdade significa: Índice de Massa Corpórea) "De acordo com recomendações de Saúde - OMS - utiliza-se o Índice Corporal - IMC (peso em kg dividido pelo quadrado altura em metro) para avaliação do perfil antropométrico-nutricional de populações de adultos
."

2 comentários:

Cida Alves disse...

Muito bom o seu blog nos faz refletir muito. Estarei sempre aqui. Um abraço

Mario Herzog Bragança disse...

Muito bom, Gerson. Linda meditacao.